Passar para o Conteúdo Principal
Português|English
a vida de movimento

Notícias do Metro do Porto

Metro do Porto assina contrato para a compra de 18 novos veículos

21 Janeiro 2020

Metro do Porto assina contrato para a compra de 18 novos veículos

Screenshot 20200121 190534  01 1 980 2500

Veículos da CRRC reforçam a frota e vão melhorar oferta em 60 mil lugares diários

O Metro do Porto celebrou esta terça-feira o contrato para a aquisição de 18 veículos de metropolitano ligeiro. O novo material circulante é adquirido ao fabricante chinês CRRC Tangshan pelo valor global de 49,6 milhões de euros, totalmente financiado pelo Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente, incluindo também a manutenção das composições por um período de cinco anos. O objetivo do Metro do Porto é que estes novos veículos possam começar a ser entregues já em 2021, contribuindo para uma melhoria da oferta em toda a rede.


Fundada em 1881, a CRRC Tangshan Co é uma empresa chinesa com larga tradição na produção de comboios, comboios de alta velocidade e veículos de metro. É o maior fabricante mundial de material circulante ferroviário, com sede em Pequim e empregando mais de 180 mil trabalhadores.
Os novos veículos do Metro do Porto vão circular nas diversas linhas da rede, cumprindo todas as normas operacionais e de segurança. A capacidade dos novos “metros” será de 252 lugares, 64 dos quais sentados. Estas composições têm duas cabines e funcionar em modo bidireccional (como as actuais), atingindo uma velocidade máxima de 80 km/hora. Com este investimento, a frota do Metro do Porto passará a contar com 120 unidades – 72 Bombardier Eurotram, 30 Bombardier Tram-Train e os 18 CRRC.


Recorde-se que, no passado mês de Abril, três concorrentes haviam respondido ao concurso público internacional para a aquisição de 18 novos veículos da Metro do Porto, lançado há pouco mais de um ano, em Dezembro de 2018. O procedimento de concurso tinha o valor de referência de 56,1 milhões de euros, incluindo, para além do fornecimento, a manutenção dessas unidades por um período de cinco anos. A Metro do Porto alcança assim uma redução de 6,5 milhões de euros face ao investimento inicialmente previsto.


As propostas dos candidatos foram avaliadas nos critérios preço, a valia técnica e design (incluindo este ponto aspectos como capacidade, conforto e acessibilidade). Os novos metros começarão previsivelmente a ser entregues entre 2021 e 2023, ao ritmo de um por mês. Como referido e tendo em conta o aumento da procura que o sistema tem vindo a registar de forma muito consolidada ao longo dos últimos meses, procurar-se-á contar com algumas das novas unidades – uma vez produzidas de acordo com as exigentes especificações do Metro do Porto e devidamente testadas no terreno -, durante o segundo semestre de 2021. Por junto, os novos veículos vão poder adicionar 60 mil lugares por dia à operação regular do Metro.


Por outro lado, o reforço da frota do Metro do Porto prende-se, também e sobretudo, com o avanço do alargamento da rede, que terá uma nova linha no Porto - entre S. Bento e a Casa da Música, a Linha Rosa -, e que verá a Linha Amarela prolongada a sul, entre Santo Ovídio e Vila d’Este, em Vila Nova de Gaia. As empreitadas para as novas linhas devem arrancar em breve, sendo que as obras de construção vão decorrer até 2023. As novas linhas do Metro vão acrescentar 6 quilómetros e sete estações à rede, representando um investimento global na ordem dos 300 milhões de euros.

O Metro do Porto opera em sete concelhos da Área Metropolitana uma rede de 6 linhas, 67 quilómetros e 82 estações, utilizada por mais de 71 milhões de utilizadores em 2019.