Passar para o Conteúdo Principal
Português|English
a vida de movimento

Notícias do Metro do Porto

Ponte Luiz I em reconversão

09 Junho 2005

Ponte Luiz I em reconversão

2005724161030898144 1 980 2500
Construção da Linha Amarela
Está em desenvolvimento uma profunda intervenção do Metro do Porto na Ponte Luiz I, com vista ao seu atravessamento através da Linha Amarela, que ligará as duas margens do Douro. Trata-se de um projecto de profunda requalificação desta estrutura, permitindo a sua utilização pelo Metro em perfeitas condições de segurança.
Depois de inaugurada a Ponte do Infante – construída pelo Metro do Porto com o objectivo de substituir a Luiz I na ligação rodoviária à cota alta entre o centro do Porto e o centro de Gaia, procedeu-se, em Junho de 2003, à interrupção da circulação no tabuleiro superior para desenvolvimento dos trabalhos na trincheira de Vímara Peres. Após a conclusão do túnel Trindade/Ponte, em Novembro, a obra de reconversão da Ponte Luiz foi iniciada em Dezembro de 2003.
Desde então, cerca de 140 trabalhadores dedicam-se à exigente tarefa de requalificar e recuperar aquele que um dos maiores ex libris da cidade do Porto e da Região. Após esta intervenção, a Luiz I, para além de servir a Linha Amarela do Metro do Porto, continuará a assegurar a travessia pedonal entre as duas margens.
Trata-se de uma obra complexa. Com base nos estudos efectuados e na sequência das rigorosas inspecções realizadas, bem como à análise estrutural efectuada, detectou-se um vasto conjunto de problemas - destacamento de tinta com aparecimento de focos de corrosão, perda pontual de rebites, deterioração do revestimento da estrutura devido a presença de pombos, presença de humidade e infiltração de água entre chapas e corrosão nos nós de ligação entre diagonais e montantes das faces laterais do arco.
Concluiu-se, então, que a utilização da Ponte Luiz I pelo Metro do Porto, requeria necessariamente a substituição integral do tabuleiro rodoviário existente por um tabuleiro ferroviário constituído integralmente por uma estrutura metálica. A intervenção em curso passa igualmente pelo reforço generalizado das diagonais das vigas principais, com vista a melhorar a sua estabilidade e pelo reforço das diagonais de contraventamento dos pilares, de alguns elementos estruturais, nomeadamente montantes de suspensão. das diagonais no plano do arco e das diagonais de contraventamento transversal vertical.
O projecto em execução integra a adaptação da secção transversal do tabuleiro superior para permitir o alargamento dos passeios, conferindo uma maior segurança na sua utilização pedonal. A secção transversal do tabuleiro superior, que era de 8,23 metros, passa agora para 9,80 metros. Uma vez concluída a obra, os passeios ficarão com uma largura de 1,70 metros.
A intervenção em curso passa pela montagem de uma nova grelha metálica do tabuleiro ferroviário, por troços. pela colocação de novas carlingas e consolas, pela colocação de novas longarinas e contraventamentos, pela recolocação de cornijas e guarda-corpos, entretanto reparados, pela reparação e reforço estrutural por troços. No final, proceder-se-á à colocação de perfis de reforço das treliças (diagonais e montantes), à pintura e à fixação da via - travessas e carris.
Adicionalmente, tanto o arco como os pilares da Ponte, bem como o seu tabuleiro inferior, serão objecto de reforços estruturais e de reparações localizadas.
A Ponte Luiz I, projectada pelo engenheiro Théophile Seyrig (discípulo de Gustav Eiffel), constitui uma obra notável da engenharia, permitindo o estabelecimento de duas ligações, uma à cota alta e outra à cota baixa, entre as margens do Rio Douro. A construção da Ponte iniciou-se em 1881, tendo sido inaugurada em 31 de Outubro de 1886. Tratava-se, na altura, do maior arco do mundo e continua a ser, hoje em dia, o maior dos construídos em ferro forjado. A Ponte Luiz I, classificada como Património da Humanidade, representa um património valiosíssimo das cidades do Porto e de Vila Nova de Gaia, motivo pelo qual a sua adaptação a novas condições funcionais implica cuidados especiais para manter as suas características estéticas e arquitectónicas.
A Ponte tem um tabuleiro superior com cerca de 400 metros de comprimento, suportado por um conjunto de sete pilares e um arco inferior com 172 metros de corda e 45 metros de flecha. Existem cinco pilares metálicos em treliça e dois em alvenaria. O arco, articulado na nascença, suspende o tabuleiro rodoviário inferior por intermédio de quatro pendurais (montantes de suspensão).