Passar para o Conteúdo Principal
Português|English
a vida de movimento

Routes of Metro do Porto

Linha BRT Boavista - Império será adjudicada por 25M€

24 Janeiro 2022

Linha BRT Boavista - Império será adjudicada por 25M€

Brt2 1 980 2500

Consórcio português vai construir novo eixo do Metro do Porto

O consórcio formado pelas empresas Alberto Couto Alves, SA e Alves Ribeiro, SA é o primeiro classificado no relatório preliminar do júri na avaliação das propostas no âmbito do Concurso Público para Concepção e Construção da Linha BRT (Bus Rapid Transport) Boavista - Império. A proposta vencedora tem o preço de cerca de 25 milhões de euros (€24.963.701,62, em rigor) e um prazo de execução global de 20 meses.

Após a notificação dos seis concorrentes que apresentaram propostas válidas, decorre o prazo legal de audiência prévia, após a qual o conselho de administração da Metro do Porto estará em condições de proceder à adjudicação. O consórcio Alberto Couto Alves/Alves Ribeiro começará por apresentar o projecto de execução, avançando depois para a construção da linha de BRT.

Este projecto constitui uma das grandes novidades do Metro 3.0, a nova fase de expansão da rede (depois da construção da Linha Rosa e da extensão da Linha Amarela) e deverá estar concluído no final de 2023. Trata-se de um investimento global de 66 milhões de euros, provenientes do PRR (Plano de Recuperação e Resiliência), incluindo material circulando e um posto de abastecimento de hidrogénio, que servirá não apenas o BRT como toda a comunidade.

A nova linha BRT será parte do sistema de transportes da Área Metropolitana, integrada no sistema de bilhética intermodal Andante, constituindo parte fundamental na estratégia de descarbonização e de combate às alterações climáticas.

O Bus Rapid Transit destaca-se pelo desempenho ambiental neutro (os veículos serão movidos a hidrogénio) e pela facilidade de integração em meio urbano. As composições BRT são idênticas a um metro de superfície, mas que circulam sobre pneus, dispensando a instalação de carris ou o uso de catenárias para alimentação energética. Este tipo de sistema garante serviços de alto rendimento, com uma procura de média a alta intensidade, funcionando frequentemente enquanto elemento complementar e de interface com o Metro.

A Linha Boavista – Império terá uma frequência de cinco minutos em hora de ponta e a ligação entre os seus dois extremos demorará apenas 15 minutos. Desenvolver-se-á ao longo das avenidas da Boavista e Marechal Gomes da Costa, perfazendo um traçado de exploração de oito quilómetros (quatro em cada sentido). O serviço vai contar com oito novas estações de superfície: Casa da Música, Bom Sucesso, Guerra Junqueiro, Bessa, Pinheiro Manso, Serralves, João de Barros e Império. Todas elas contarão com cobertura, máquinas de venda de títulos, validadores, câmaras de videovigilância e equipamento de informação ao público – nomeadamente painéis eletrónicos e informação sonora.

Refira-se ainda que a localização destas estações teve em consideração as condicionantes dos locais, os estudos de mobilidade e obedeceu a critérios e princípios de organização e funcionamento, já devidamente testados na rede de metro em exploração. Entre estas especificidades, destaque para o extenso espaço verde do separador central da Avenida do Marechal Gomes da Costa, que irá ser integralmente preservado, tal como as espécies arbóreas existentes ao longo do canal, adaptando-se uma das faixas rodoviárias existentes à utilização do BRT.